Em aplicações web, várias vezes precisamos salvar informações para serem utilizadas posteriormente, vemos isso claramente quando precisamos acessar uma página e nos deparamos com um formulário de login e senha: esses dados já foram posteriormente cadastrados e agora a página precisa checar se realmente os dados batem com os cadastrados. Para implementarmos esse cenário não é suficiente trabalhar com sessões, pois ela só salva os dados enquanto a aplicação não é fechada, dessa forma, na próxima vez que formos acessar uma página essas informações não estarão mais lá; também não é possível fazer isso com cookies, pois a qualquer momento o usuário poderá fazer uma limpeza dos mesmos salvos no navegador e os dados serão perdidos. Para resolver esse problema devemos utilizar um banco de dados.

Em PHP existe uma sequência lógica para se trabalhar com banco de dados, que consiste e três passos:

  1. Primeiro, você criará variáveis no seu arquivo PHP informando o nome do banco, a porta, o usuário e a senha, e usará a função própria do tipo de banco para abrir uma nova conexão;
  2. Segundo, utilizaremos as funções de manipulação para executar o código SQL que se deseja;
  3. Terceiro, fecharemos a conexão.

Para trabalhar com qualquer tipo de banco de dados devemos seguir essa sequência; a seguir veremos alguns exemplos para cada tipo de banco.

MySQL

O MySQL permite armazenar dados organizados em tabelas, que por sua vez, são associadas a outras tabelas, possibilitando o agrupamento de dados.

Para criar um arquivo de conexão de uma aplicação PHP com esse banco de dados iremos utilizar as funções mysql_connect() e mysql_select_db(), como podemos ver na Listagem 1.

  <?php
  $servidor = 'localhost';
  $banco = 'mydatabase';
  $usuario = 'root';
  $senha = 'root';
  $link = mysql_connect($servidor, $usuario, $senha);
  $db = mysql_select_db($banco, $link);
 
 
   if(!$link)
   {
       echo "Ocorreu um erro na conexão com o banco de dados.";
        exit();
   }
 ?> 
Listagem 1. Arquivo de conexão com o MySQL

Nas quatro linhas iniciais definimos as variáveis $servidor, $banco, $usuario e $senha, onde estamos armazenando, respectivamente: qual servidor iremos usar, qual o nome do banco de dados, o nome de usuário e a senha de usuário.

A função mysql_connect() recebe os valores de $servidor, $usuario e $senha como parâmetros e estabelece a conexão. Em seguida, devemos informar qual o nome do banco de dados que queremos utilizar com a função mysql_select_db(), que recebe como parâmetro os valores armazenados em $banco e $link, ou seja, o nome do banco de dados e o link que foi obtida com a função mysql_connect().

Por fim, utilizamos o IF para testar se a conexão foi estabelecida com sucesso.

SQL Server

Para criarmos uma conexão entre o SQL Server e o PHP devemos utilizar a função mssql_connect(), como mostra a Listagem 2. Veremos onde será listado todos os dados de uma consulta, tal como será contado o número de registros nesse banco. Essa função é compatível com servidores Windows 2003.

  <?
    // Dados do banco
    $dbhost   = "hostbanco";   #Nome do host
    $db       = "nomebanco";   #Nome do nosso banco de dados
    $user     = "nomeusuario"; #Nome do usuário
    $password = "senhabase";   #Senha do usuário
   
    // Dados da tabela
    $tabela = "nometabela";    #Nome da tabela
    $campo1 = "campo1tabela";  #Nome do primeiro campo da tabela
    $campo2 = "campo2tabela";  #Nome do proximo campo da tabela
   
    @mssql_connect($dbhost,$user,$password) or die("Não foi possível estabelecer 
    uma conexão com o servidor!");
    @mssql_select_db("$db") or die("O banco de dados não foi selecionado!");
   
    $instrucaoSQL = "SELECT $campo1, $campo2 FROM $tabela ORDER BY $campo1";
    $consulta = mssql_query($instrucaoSQL);
    $numRegistros = mssql_num_rows($consulta);
   
    echo "Esta tabela contém $numRegistros registros!\n<br>\n";
   
    if ($numRegistros!=0) {
          while ($cadaLinha = mssql_fetch_array($consulta)) {
                  echo "$cadaLinha[$campo1] - $cadaLinha[$campo2]\n<br>\n";
    }
  }?>
Listagem 2. Conectando-se a um banco de dados SQL Server

Após criar a conexão com o banco, escolhemos qual tabela utilizaremos para contar e imprimir o total de registros que existe em cada tabela.

Para Servidores com Windows 2008 podemos utilizar a função sqlsrv_connect(), como mostra a Listagem 3, que devolve o mesmo resultado da Listagem 2.

  <?
    // Dados do banco
    $dbhost   = "hostbanco";   #Nome do host
    $db       = "nomebanco";   #Nome do nosso banco de dados
    $user     = "nomeusuario"; #Nome do usuário
    $password = "senhausuario";   #Senha do usuário
   
    // Dados da tabela
    $tabela = "nometabela";    #Nome da tabela
    $campo1 = "campo1tabela";  #Nome do campo da tabela
    $campo2 = "campo2tabela";  #Nome de outro campo da tabela
   
    $conninfo = array("Database" => $db, "UID" => $user, "PWD" => $password);
    $conn = sqlsrv_connect($dbhost, $conninfo);
   
    $instrucaoSQL = "SELECT $campo1, $campo2 FROM $tabela ORDER BY $campo1";
   
    $params = array();
    $options =array("Scrollable" => SQLSRV_CURSOR_KEYSET);
    $consulta = sqlsrv_query($conn, $instrucaoSQL, $params, $options);
    $numRegistros = sqlsrv_num_rows($consulta);
   
    echo "Esta tabela contém $numRegistros registros!\n<hr>\n";
   
    if ($numRegistros!=0) {
          while ($cadaLinha = sqlsrv_fetch_array($consulta, SQLSRV_FETCH_ASSOC)) {
                  echo "$cadaLinha[$campo1] - $cadaLinha[$campo2]\n<br>\n";
    }
  }?>
Listagem 3. Função sqlsrv_connect( )

Firebird/Interbase

O Firebird é um banco de dados relacional multiplataforma e para se conectar a ele utilizamos a função ibase_connect(), que recebe uma série de parâmetros. Os principais são:

  • database: caminho para o arquivo do banco de dados no servidor;
  • username: nome do usuário;
  • Password: senha;
  • Charset: padrão de caracteres utilizados pelo banco. O tipo padrão é o ISO-8859-1, mas outro padrão interessante de trabalhar é o UTF-8, que pode representar qualquer carácter no padrão do Unicode;
  • Buffers: se refere ao total de buffers do banco de dados que podem ser alocados no cache do servidor.

Veja na Listagem 4 um exemplo de arquivo PHP de conexão com o Firebird/Interbase.

  <?php
   $host='localhost:/path/to/your.gdb';
 
   $dbh=ibase_connect($host,$username,$password);
   $stmt = 'SELECT * FROM nometabela';
   $sth = ibase_query($dbh, $stmt);
   while ($row = ibase_fetch_object($sth)) {
       echo $row->email, "\n";
   }
 
 
    ibase_free_result($sth);
   ibase_close($dbh);
  ?>
Listagem 4. Arquivo de conexão

Oracle

Para conectarmos uma aplicação PHP com o Oracle devemos seguir dois passos.

O primeiro passo é abrir o arquivo php.ini, que pode ser encontrado dentro do diretório de instalação do Apache, e procurar pelo seguinte código:

;extension=php_oci8.dll
;extension=php_oracle.dll

Remova o “;” das linhas e salve. Caso as mesmas não existam no arquivo, insira ao final.

O segundo passo é a criação do arquivo de conexão usando o OCILogon para as versões anteriores a 5.1.2 e oci_connect para outras versões, como mostra o exemplo da Listagem 5.

  //  metodo de conexao compativel com versao 4 ou anterior do PHP
  // depende da instalacao do client do oracle e configuracao do arquivo TNS
   
  $conexao_antiga = OCILogon("usuario", "senha", "servico");
   
  //metodo usado a partir do PHP 5.1.2
   
  $conexao = oci_connect('usuario', 'senha', '127.0.0.1/nome_servico');
   
  if (!$conexao) {
      $erro = oci_error();
      trigger_error(htmlentities($erro['message'], ENT_QUOTES), E_USER_ERROR);
  exit;
  }
Listagem 5. Conexão com banco Oracle

PostgreSQL

O PostgreSQL é um SGBD de código aberto que oferece uma série de funcionalidades. A conexão é bem semelhante a conexão com o MySQL, como podemos ver na Listagem 6.

  <?php
   
    // servidor onde esta o nosso banco de dados, no nosso exemplo estamos 
    utilizando um servidor
    // local, portanto colocamos localhost
   
    $servidor = "localhost";
   
    // nome de usuario do banco de dados, root e o usuario ja fornecido pelo 
    banco
    // e extremamente recomendado a criacao de um novo usuario
   
    $usuario = "root";
   
    // senha do usuario, no caso de estarmos usando o usuario root ele vem sem 
    senha por padrao
    // é recomendavel adicionar uma senha para o usuario root, levando em 
    consideração que ele e o 
    // usuario com maiores privilegios no banco de dados
   
    $senha ="";
   
    // criacao da conexao, recebe como parametros o servidor, o usuario e a senha
   
    $conexao = pg_connect($servidor, $usuario, $senha) or die ("Nao foi possivel 
    estabelecer uma conexao com o servidor PostGreSQL");
   
    //caso a conexão seja efetuada com sucesso, exibe uma mensagem ao usuário
   
    echo "Conexao efetuada com sucesso.";
  ?>
Listagem 6. Conexão com banco de dados PostgreSQL

SQLite

O SQLite possui muitas características interessantes, dentre as quais podemos destacar a guarda de todo o banco apenas em um arquivo, suporte a base de dados acima de dois terabytes, suporte a strings e BLOB’s com o tamanho acima de dois gigabytes, assim, não possui nenhuma dependência externa e pode processar várias operações de leitura ao mesmo tempo. Contudo, só consegue realizar uma operação de saída por vez.

Veremos a seguir como trabalhar com as duas modalidades do banco: a SQLite procedural e a SQLite Orientado a Objetos.

Para conectarmos com o SQLite devemos usar o seguir o exemplo da Listagem 7.

  <?php
    //testa se já existe uma base de dados, caso não exista, ele cria
    if ($db = sqlite_open("c:/devmedia/databases/dbdev.db", 0666, $error)) {
   echo "Banco de dados encontrado e aberto...";
   
    //cria uma nova tabela
    @sqlite_query($db, "CREATE TABLE autores( id INTEGER PRIMARY KEY, nome TEXT)");
   
    //insere dados
    sqlite_query($db, "INSERT INTO autores VALUES( NULL, 'Luciano Alexandre')");
   
    //exibe os dados cadastrados
    $sql = sqlite_query($db, "SELECT id, nome FROM autores");
   
    //visualiza os dados gravados
        while ($i = sqlite_fetch_array($sql)) {
            echo "<br><br>";
            echo "ID: ".$i['id']."<br>";
            echo "Nome: ".$i['nome'];
        }//fecha while
        }
        else {
            die($error);
        }
  ?>
Listagem 7. Conectando ao SQLite

E para o SQLite Orientado a Objeto devemos utilizar o código da Listagem 8.

  <?php
    try {
              //criando nova instancia
              $db = new SQLiteDatabase("c:/devmedia/databases/dbdev.db", 0666);
    }
    catch( Exception $exception ){
              die($exception->getMessage());
    }
   
    //criando uma nova tabela
    //lembre de comentar as próximas duas linhas depois de executar o script pela primeira vez
    $sqlC = "CREATE TABLE autores(id INTEGER PRIMARY KEY, nome TEXT)";
    $db->queryExec($sqlC);
   
    //inserindo dados
    $sqlI = "INSERT INTO colunistas (id, nome) VALUES (NULL, 'Luciano Alexandre')";
    $db->queryExec($sqlI);
   
    //visualizando dados salvos
    foreach ($db->query("SELECT id, nome FROM autores") as $row) {
              print_r($row);
              echo "<br>";
  }?>
Listagem 8. Banco de dados SQLite orientado a objetos

ODBC

ODBC é uma API que permite a conexão com qualquer banco de dados, seja ele local ou remoto. Para conectar a um banco ODBC utilizamos o método odbc_connect(), que deve receber quatro parâmetros: nome do banco, nome do usuário, senha e tipo de cursor (opcional).

Depois de conectado podemos utilizar a função odbc_exec() para executarmos comandos SQL em nosso banco. Veja na Listagem 9 como usar esses métodos.

  <?php
    $conn = odbc_connect('banco','devmedia','devmedia');
    $sql = "SELECT * FROM customers";
    $rs = odbc_exec($conn , $sql);

    odbc_close($conn); // Fecha a conexão com o banco
  ?>
Listagem 9. Conexão com o ODBC

Na Listagem 10 vamos mostrar um exemplo de utilização da conexão com o ODBC para imprimir em uma página web o retorno de uma consulta ao banco.

 <html>
   <body>
   <?php
       $conn = odbc_connect('nomebanco','nomeusuario','senha')
           or die('Falha na Conexão ');
      
       $sql = 'select * from customers';
       $rs = odbc_exec($conn, $sql)
           or die('Erro no sql');
     
      echo "<table><tr>";
      echo "<th>Nome</th>";
      echo "<th>Profissao</th></tr>";  
      while (odbc_fetch_row($rs)) {
          echo "<tr><td>".odbc_result($rs, "UserName")."</td>";
          echo "<td>".odbc_result($rs,"ProfessionName")."</td></tr>";       
      }
      odbc_close($conn);
      echo "</table>"
  ?>
  </body>
  </html>
Listagem 10. Exemplo ODBC

PHP Data Objects (PDO)

O PDO é uma camada de abstração de acesso a dados que traz como principal característica a possibilidade de migração de um banco de dados para outro. Para isso utiliza métodos de manipulação de dados que são independentes de qualquer SGDB. Dessa forma, o método que efetua uma consulta em um banco Oracle será o mesmo para o MySQL, e assim por diante.

O PHP Data Objects é uma funcionalidade disponível a partir do PHP 5.1 e é compatível com vários bancos de dados, dentre eles estão: SQL Server, Firebird/Interbase, MySQL, Oracle, ODBC, PostgreSQL, SQLite, Informix, IBM/DB2 e CUBRID.

Deve ser utilizado em projetos que utilizam mais de um banco ou que exige compatibilidade com outro SGBD, no entanto, não é aconselhável em aplicações bem definidas onde se tem clareza sobre o SGBD utilizado, pois o PDO acaba tendo como desvantagem a falta de velocidade ao ser comparado com outros bancos, como o MySQL.

Habilitando o PDO

O primeiro passo é a habilitação do seu drive, e para isso deve-se abrir o arquivo php.ini e remover o ponto e virgula (;) que comenta as linhas. Para o Windows use:

  extension=php_pdo.dll
  extension=php_pdo_mysql.dll

E para o Linux:

  extension=pdo.so
  extension=pdo_mysql.so

O PDO é puramente orientado a objetos, dessa forma, a criação de uma nova conexão com o banco de dados se dá pela criação de uma instância da classe PDO, como mostrado na Listagem 11.

    <?php
   
      // MySQL
      $db1 = new PDO("mysql:host=localhost;dbname=banco", "root", "senha");
                            
      // PostgreSQL       
      $db2 = new PDO("pgsql:host=localhost;dbname=banco", "root", "senha");
                            
      // SQLite   
      $db3 = new PDO("sqlite:banco.sqlite");
   
     //Firebird
     $db4 = new PDO(“firebird:dbname=nomebanco”, “SYSDBA”, “masterkey”);
    
     //Oracle
     $host = 'localhost';
     $porta = '1521';
     $usuario = 'root';
     $senha = 'root';
    $db5 = new PDO("oci:dbname=//$host:$porta",$usuario,$senha);
   
    ?>
Listagem 11. Criação de uma conexão utilizando PDO

Veja Que criamos cinco variáveis que recebem a instância da classe PDO para cada um dos tipos de bancos que queremos conectar, respectivamente, com o MySQL, PostgreSQL, SQLite, Firebird e Oracle.

Para encerrarmos uma conexão devemos usar o método unset, como na Listagem 12.

  <?php
   
  // MySQL
  $db1 = new PDO("mysql:host=localhost;dbname=banco", "root", "senha");
  unset($db1);   // encerrando a conexão com o MySQL
                             
  // PostgreSQL
  $db2 = new PDO("pgsql:host=localhost;dbname=banco", "root", "senha");
  unset($db2);   // encerrando a conexão com o PostgreSQL
                            
  // SQLite
  $db3 = new PDO("sqlite:banco.sqlite");
  unset($db3);   // encerrando a conexão com o SQLite
   
  //Firebird
  $db4 = new PDO(“firebird:dbname=nomebanco”, “SYSDBA”, “masterkey”);
  unset($db4);   // encerrando a conexão com o FIrebird
   
  //Oracle
  $host = 'localhost';
  $porta = '1521';
  $usuario = 'root';
  $senha = 'root';
 $db5 = new PDO("oci:dbname=//$host:$porta",$usuario,$senha);
   
  unset($db5); // encerrando a conexão com o Oracle
  ?>
Listagem 12. Criando e encerrando uma conexão com os bancos: MySQL PostgreSQL, SQLite, Firebird e Oracle com PDO

Na Listagem 13 vemos a criação de uma conexão com o SQL Server utilizando PDO.

  <?php
  try {
      $hostname = "localhost";
      $dbname = "nomebanco";
      $username = "usuariobanco";
      $password = "senha";
      $pdo = new PDO ("mssql:host=$hostname;dbname=$dbname","$username","$password");
    } catch (PDOException $e) {
      echo "Erro de Conexão " . $e->getMessage() . "<\br>";
      exit;
    }
      
      unset($pdo); 
  ?>
Listagem 13. Conectando ao SQL Server com PDO

PDO usando o ODBC para conectar o SQL Server

O Open Data Base Connectivity (ODBC) é uma estrutura criada com o objetivo de simplificar o acesso das aplicações com o banco de dados. Para utilizar o ODBC devemos seguir três passos. Inicialmente devemos ter uma aplicação ODBC instalada, sendo as mais conhecidas o Microsoft Acess e o Visual Basic. O segundo passo é possuir um driver ODBC e o terceiro é possuir um banco de dados real.

Na Listagem 14 criamos uma nova conexão com o banco de dados real o SQL Server.

  * 
  # Usuário: Devmedia
  # Banco: pdobanco
  # Server: PC\SQLEXPRESS
  # Senha: devmedia
  # Nome da tabela: autor
  # Driver usado ODBC DSN
  */
   
  try
  {
  // Conexão
  $banco = new PDO("odbc:Driver={SQL Server};Server=PC\SQLEXPRESS;Database=pdobanco; 
  Uid=sa;Pwd=devmedia;"); 
   
  /* Insert no banco */
   $executa = $banco->query("INSERT INTO autor (id, nome) VALUES ('', 'jose')");
     if($executa){
        echo 'Dados inseridos com sucesso!';
     }
     else{
        print_r($pdo->errorInfo());
     }
  ?>
Listagem 14. ODBC com SQL Server

Depois que estabelecemos uma conexão com um banco de dados, o PDO nos fornece os métodos para manipulação do banco (inserção, criação, exclusão, etc.), para isso utilizamos a linguagem SQL.

Na Listagem 15 utilizaremos o método exec, que possibilita a execução de código SQL junto ao nosso banco para criar uma tabela de funcionários com os campos, id, nome, e-mail e cargo.

  <?php  
   $db = new PDO("mysql:host=localhost;dbname=banco", "root", "");
     
  $db->exec("CREATE TABLE funcionarios(id INT AUTO_INCREMENT, nome VARCHAR(255),
   email VARCHAR(255), cargo VARCHAR(255)) ");
  ?>
Listagem 15. Implementando e utilizando o método exe

Para fazermos consultas utilizamos o método query, que executa o comando SQL SELECT, como mostra a Listagem 16.

  <?php
      $db = new PDO("mysql:host=localhost;dbname=banco", "root", "");
     
      $dados = $db->query("SELECT * FROM funcionarios");
  ?>
Listagem 16.Fazendo uma consulta ao banco