Atenção: esse artigo tem um vídeo complementar. Clique e assista!

De que se trata o artigo:

Neste artigo veremos as principais características do padrão computacional conhecido como cloud computing. Em seguida, será apresentada a iniciativa disponibilizada pela Microsoft dentro deste segmento: a plataforma Windows Azure.

Para que serve:

Soluções de cloud computing possibilitam, através da Internet, o compartilhamento de recursos computacionais como infraestrutura de servidores ou armazenamento de dados, por exemplo. Tais serviços são cobrados por parte das empresas provedoras com base nos níveis de utilização dos mesmos. A plataforma Windows Azure da Microsoft se encaixa neste perfil.

Em que situação o tema será útil:

A adoção de uma solução de cloud computing pode ser de grande valia para as organizações. Dentre os motivos que podem levar ao emprego deste tipo de arquitetura, pode ser citada a busca por uma maior flexibilidade para as operações de TI, assim como a redução de custos com pessoal especializado, hardware e software.

Autores: Giuliano Paulo Velho Moreno, Renato José Groffe e Tiago Valim

É inegável a importância atual da Tecnologia da Informação para o mundo dos negócios. O ambiente empresarial exige que novas soluções de software sejam desenvolvidas frequentemente, assim como aplicações já existentes se adaptem a mudanças. Tudo isto busca garantir a continuidade de uma organização ou, ainda, possibilitar meios para o aproveitamento de oportunidades ainda inexploradas.

Uma gama de sistemas exige, contudo, vultosos e constantes investimentos em infraestrutura de hardware e suporte. Além disso, diversos requisitos como disponibilidade, segurança e escalabilidade, devem ser levados em consideração.

Atentos a isto, grandes fornecedores de soluções de tecnologia desenvolveram serviços computacionais que podem ser utilizados por outras companhias, mediante prévio acordo entre as partes. Este modelo de serviço recebe o nome de cloud computing ou “computação nas nuvens”.

A plataforma Azure, objeto de estudo deste artigo, representa a solução da Microsoft para este segmento e procura, através de uma série de serviços, oferecer uma solução flexível e que seja, ao mesmo tempo, de fácil implementação.

Cloud computing: uma visão geral

O termo cloud computing ou “computação nas nuvens” é definido, em termos gerais, como um modelo em que recursos computacionais são compartilhados através da Internet por provedores de serviços especializados.

Tais recursos, por sua vez, são oferecidos por meio de uma abordagem em que se cobra pelo nível de uso dos mesmos, mediante acordo prévio estabelecido entre fornecedor e a empresa contratante.

Os diversos tipos de serviços existentes podem ser classificados nas seguintes categorias:

Storage-as-a-service: envolve recursos de armazenamento em disco remotamente;

Application-as-a-service ou Software-as-a-service: sistemas de software hospedados na “nuvem”;

Database-as-a-service: acesso remoto a bancos de dados;

Security-as-a-service: dispositivos de segurança como gerenciamento de usuários, disponibilizados através da “nuvem”;

Testing-as-a-service: mecanismos para testes de aplicações;

Infrastructure-as-a-service: toda a infraestrutura de data center disponibilizada ao contratante;

Platform-as-a-service: conjunto de recursos envolvendo soluções de hospedagem de aplicações, banco de dados, armazenamento, testes, segurança e infraestrutura. A plataforma Azure enquadra-se nesta classificação.

Soluções On-premise x Off-premise

Serviços computacionais e aplicações corporativas, levando-se em conta o paradigma de “computação nas nuvens”, podem ser classificados em:

On-premise: implantados e gerenciados por uma organização com seus próprios recursos de infraestrutura de TI;

Off-premise: aplicações e serviços na nuvem, ou seja, hospedados em data centers de um provedor, sendo este último responsável por oferecer toda a infraestrutura necessária para atender às necessidades da organização.

Vantagens e pontos de atenção

Dentre os benefícios normalmente almejados e que podem levar, por sua vez, uma empresa a investir em soluções de cloud computing, convém destacar:

• Redução de custos ao eliminar a necessidade contínua e dispendiosa de compra de novos equipamentos, gastos com instalações e energia, licenças de software e pessoal qualificado para manter as operações;

• Como a cobrança dos serviços se faz mediante o uso dos mesmos, épocas de baixa demanda pela utilização de recursos podem se traduzir, por sua vez, em economia orçamentária para a organização;

• Alta disponibilidade dos recursos, mediante a adoção de medidas de contingência pelo provedor de um serviço. Um exemplo disto seria a redundância de servidores em que a falha num dispositivo pode ser tolerada, tudo isso graças à existência de outros computadores para atender o mesmo tipo de requisição;

• Escalabilidade, que se traduz na capacidade da infraestrutura utilizada estar preparada para demandas crescentes, o que pode ser obtido através da facilidade de expansão dos recursos utilizados como novos servidores, mais espaço de armazenamento, load balancing (balanceamento de carga), etc.;

• Os utilizadores dos serviços não necessitam se preocupar com a plataforma de hardware envolvida no suporte às suas aplicações. Preocupações com detalhes físicos são ocultadas por quem adquire uma solução de cloud computing, processo este conhecido como virtualização;

• Velocidade na implementação de novos projetos de software, uma vez que uma empresa ao adotar este paradigma utilizará melhor o tempo de sua equipe de Tecnologia, focando nas funcionalidades que são vitais no negócio e diminuindo a preocupação com a administração da infraestrutura que estaria envolvida.

Sendo assim, ao contratar uma solução de cloud computing, uma organização deverá levar em conta aspectos como:

• A segurança dos serviços oferecidos;

• Questões legais relativas a processos de auditoria envolvendo logging de transações de dados;

• SLAs (Service-Level Agreements/Acordos de níveis de serviço) que definam claramente as responsabilidades, garantias e riscos inerentes às atividades do provedor contratado.

Plataforma Windows Azure

A plataforma Windows Azure é uma solução de cloud computing lançada oficialmente pela Microsoft em Outubro de 2008. O objetivo da mesma é prover uma estrutura escalável e baseada na Internet, facilitando para tanto o processo de criação e implantação de aplicações e serviços na “nuvem”.

O ambiente de desenvolvimento Microsoft Visual Studio .Net possui amplo suporte para a concepção e disponibilização de aplicativos na “nuvem”, com uma abordagem que em nada difere daquela utilizada com softwares on-premise. Tudo isto possibilita um maior foco na criação de soluções, diminuindo assim a preocupação com detalhes de infraestrutura.

Esta plataforma é composta por três serviços principais:

Windows Azure: sistema operacional na “nuvem” que atua como ambiente para execução de aplicações, além de contar com recursos de armazenamento de dados;

AppFabric: mecanismo de middleware da plataforma Azure, com funcionalidades de service bus e controle de acesso;

SQL Azure: serviço de banco de dados relacional na “nuvem” e que estende, assim, as capacidades oferecidas por servidores SQL Server convencionais.

Estes três serviços podem tanto ser empregados separadamente no desenvolvimento de novas soluções, quanto combinados, conferindo assim flexibilidade na sua utilização. O acesso aos mesmos ocorre através da criação de uma conta no Windows Live Id, além da vinculação desta última a cada um dos serviços desejados, mediante acesso ao site dos mesmos.

É importante ressaltar ainda, a possibilidade de se escolher em qual data center aplicações ou dados serão hospedados, técnica esta conhecida como geolocalização. Tal necessidade pode surgir em virtude de razões legais que obriguem o armazenamento de dados numa determinada localidade, fatores políticos ou mesmo questões de performance (uma aplicação executando numa maior proximidade geográfica de dados dos quais depende, por exemplo).

Como é de praxe entre os fornecedores de soluções de cloud computing, o custo de utilização da plataforma Azure dependerá dos serviços que foram contratados por um cliente, assim como do nível de utilização dos mesmos. O portal do Windows Azure na Internet possui mais detalhes a respeito disso.

Sistema Operacional Windows Azure

O sistema operacional Windows Azure pode ser considerado como um ambiente virtual, funcionando como uma “camada na nuvem”. O mesmo é executado em múltiplas máquinas configuradas com o Windows Server 2008 R2. Tais equipamentos contam, por sua vez, com a tecnologia Hyper-V de suporte à virtualização, situados em data centers da Microsoft.

É importante mencionar que o Windows Azure funciona como uma abstração do hardware envolvido no processo, ocultando detalhes físicos das aplicações e serviços hospedados na “nuvem”. Além disso, encontra-se dividido em três componentes principais:

Compute: atua como um servidor de aplicações;

Storage: oferece meios de armazenamento de dados, bem como serviços de troca de mensagens através de filas;

Management: responsável pelo gerenciamento do ambiente de cloud computing, através do controle de toda a infraestrutura a ser utilizada. Estas atividades são desempenhadas por um software chamado Fabric Controller.

A Figura 1 representa a arquitetura do sistema operacional Windows Azure, incluindo os diversos serviços que o constituem.

Figura 1. Arquitetura do Sistema Operacional Windows Azure.

...
Quer ler esse conteúdo completo? Seja um assinante e descubra as vantagens.
  • 473 Cursos
  • 10K Artigos
  • 100 DevCasts
  • 30 Projetos
  • 80 Guias
Tenha acesso completo