Guia Requisitos, Modelagem e UML

Desenvolvimento Ágil: análise sobre requisitos tradicionais

Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Para efetuar o download você precisa estar logado. Clique aqui para efetuar o login
Confirmar voto
0
 (19)  (0)

Este artigo analisa, a partir de um estudo de caso realizado com um conjunto de desenvolvedores, o uso de abordagens tradicionais comparadas a abordagens ágeis de especificação de requisitos no desenvolvimento de software.

Fique por dentro
A especificação dos requisitos é uma etapa crucial no processo de criação de um software. Diferentes abordagens surgiram com o objetivo de realizar esta etapa, porém, o diferencial está nos princípios que cada uma aplica em seus processos.

Este artigo apresenta a realização de um estudo de caso com objetivo de investigar na prática as vantagens e desvantagens da especificação de requisitos entre as metodologias ágeis e tradicionais.

O estudo foi iniciado a partir da elaboração de dois tipos de documento de requisitos de software, um proveniente da metodologia de especificação ágil e o outro da tradicional. Os requisitos definidos estão no contexto de um sistema escolar hipotético, um cadastro de usuários e uma emissão de relatório de usuários.
Autores: Mauricio M. O. Matos, Nicolli Souza Rios Alves e Rodrigo Oliveira Spínola

A especificação de requisitos pode ser, em muitos casos, um problema complexo, principalmente quando o analista de requisitos não tem domínio sobre o negócio do cliente. Compreender a natureza do problema pode ser muito difícil, especialmente se o sistema for novo.

Em decorrência disso, surgiu a engenharia de requisitos que pode ser definida como o termo usado para descrever as atividades relacionadas à produção e gerência de requisitos.

Este artigo abordará, sob diferentes perspectivas e metodologias, as atividades do processo de produção dos requisitos com foco em especificação de requisitos.

Os requisitos funcionais de um sistema descrevem as funcionalidades ou os serviços que se espera do sistema. Para registrar estes requisitos, são utilizados diferentes tipos de abordagens, sendo a tradicional realizada a partir de casos de uso, e a ágil que utiliza estórias de usuários como documento de requisitos.

Tais abordagens diferem em certos aspectos na especificação. A análise destas diferenças é importante para saber quando cada abordagem é a mais indicada para solucionar o problema do cliente.

Neste artigo, serão investigadas as vantagens e desvantagens de se trabalhar com ambas as metodologias de especificação de requisitos, na perspectiva do analista de requisitos e do desenvolvedor.

Para realizar esta avaliação, um estudo de caso foi planejado e foram elaboradas dois tipos de documentação: uma considerando a metodologia ágil e outra a tradicional.

Após isto, estas documentações foram entregues a quatro desenvolvedores para realizarem suas funções e, ao fim, responderem um questionário a respeito das dificuldades e benefícios encontrados no uso de cada tipo de especificação.

Metodologias de especificação de requisitos

Um processo de engenharia de requisitos é um conjunto estruturado de atividades a serem seguidas para criar, validar e manter um documento de requisitos [2]. O processo de produção do documento de requisitos é constituído pelas atividades de levantamento de requisitos, registro, validação e verificação como é demonstrado na Figura 1" [...]

A exibição deste artigo foi interrompida :(
Este post está disponível para assinantes MVP

 
Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Receba nossas novidades
Suporte ao aluno - Deixe a sua dúvida.