De que se trata o artigo

O Framework .Net 4.5 é uma importante atualização para a plataforma que incorpora novos recursos em diversas áreas e dá sinais de uma futura virada da Microsoft no desenvolvimento de aplicações desktop. Além das novidades para o Framework a linguagem C# também recebeu incrementos importantes que serão mostrados no artigo.

Em que situação o tema é útil

A plataforma .Net é atualmente uma das mais ativas para o desenvolvimento de software. Esta atualização representa a adição de recursos importantes. Assim, este artigo pode servir para o desenvolvedor decidir entre migrar para a versão nova ou continuar a utilizar a versão em que está trabalhando.

Framework .Net 4.5

A Microsoft lançou recentemente versões release candidate de suas principais ferramentas para desenvolvedores entre elas o Framework .Net e o Visual Studio, além de uma atualização para o seu banco de dados SQL Server, agora na versão 2012.

As atualizações do Framework .Net e do Visual Studio estão fortemente acopladas com o lançamento da nova versão do Windows e sua interface Metro UI que, ao que parece, vai ter o mesmo impacto que houve quando se mudou da versão 3.11 para o Windows 95. O Windows 95 apresentou duas grandes mudanças: primeiro, foi a primeira versão de 32 bits do sistema ao alcance dos usuários domésticos (o Windows NT também já era 32 bits mas, o seu foco era para usuários coorporativos); a segunda mudança foi uma interface diferente onde o principal destaque foi o surgimento do botão Iniciar.

Mas, nem só de Metro UI e Windows 8 vive esta atualização. Aperfeiçoamentos importantes em plataformas como o ASP.Net, WCF e computação assíncrona garante um bom material de estudo para os profissionais para os próximos meses.

Dentre as novidades o C#, que de maneira curiosa está na versão 5, além de incorporar as novidades do Framework também traz novos recursos, principalmente no desenvolvimento de rotinas assíncronas.

Quando um produto da importância, que é o Framework .Net, é atualizado é bom prestar muita atenção porque seus impactos serão sentidos ainda que a longo prazo por todos os que usam.

Neste artigo, além das novidades, incluí algumas considerações a serem feitas como, por exemplo, plataformas e recursos que foram descontinuados nesta versão.

O Framework .Net representou um grande avanço no desenvolvimento de software para o sistema operacional Windows. Com este, muitas inovações puderam ser criadas já que em sua estrutura unificada estão presentes recursos compartilhados para diversos tipos de aplicações indo desde class libraries (dlls) até aplicações distribuídas na Web e para dispositivos móveis.

Esta plataforma, entretanto está em evolução constante, que ocorreu de uma maneira bem particular. A Figura 1 representa um diagrama mostrando essa evolução (para obter mais detalhes, veja a seção Links no final do artigo).

Figura 1. Esquema de evolução do Framework .Net.

O diagrama mostra como se deu a evolução das versões do Framework. Aqueles que estão colocados lado a lado indicam releases que ocorreram separadamente e que não tiveram relação com as versões anteriores.

Foi o que aconteceu, por exemplo, com a primeira grande evolução que foi da versão 1.1 para a 2.0. Na primeira, o Framework ainda era pouco adotado e requeria certa dose de boa vontade por parte dos desenvolvedores já que quebrava muitos paradigmas da programação com a Intermediate Language, ambiente de execução gerenciado etc. Além disto, alguns tipos de projetos, como as aplicações desktop para o Windows, conhecidas então como Windows Forms Applications, careciam de componentes e recursos. Desenvolver projetos deste tipo era bastante trabalhoso, pois havia poucos recursos e os que haviam necessitavam de melhorias e maturidade para que pudessem efetivamente ser usados.

Tudo mudou com o lançamento da versão 2.0. Esta foi um grande marco para o Framework .Net e é largamente usada até hoje em muitos projetos por causa de seus recursos e sua estabilidade. Entre os pontos altamente positivos da versão estão o surgimento dos Generics (Nota DevMan 1) tanto para coleções de dados como para a criação de classes como o alto salto de maturidade que foi dado nas aplicações Windows Forms.

Nota do DevMan 1

Generics refere-se a um conjunto de classes e interfaces contidas na biblioteca System.Collections.Generic que adicionou recursos para se trabalhar com coleções de dados como o de se criar uma lista de qualquer tipo suportado pelo Framework usando o construtor List<T> onde “T” é o tipo dos dados que estão na lista.

Esta versão possibilitou que grande parte das aplicações existentes pudesse ser migrada, agora com grande facilidade, para o Framework .Net e assim fazer uso de todos os seus recursos, que não eram poucos, ainda nesta versão.

Outra versão independente que representou um grande avanço foi a 4.0, lançada a cerca de três anos. Esta versão surgiu em um cenário onde os computadores estavam passando por mudanças radicais. Agora até mesmo notebooks passavam a contar com vários núcleos. Vieram os smartphones e a Internet firmou-se de vez como plataforma. Assim, esta versão trouxe muitas novidades para a programação assíncrona e paralela, permitindo melhor utilização dos vários núcleos des processadores existentes. Também aproximou o C# de linguagens dinâmicas com o dynamics, que permite a criação de classes durante o runtime, entre outras novidades.

Paralelo às atualizações independentes (versões 1, 1.1, 2 e 4), existiram atualizações, que estão representadas na ...

Quer ler esse conteúdo completo? Seja um assinante e descubra as vantagens.
  • 473 Cursos
  • 10K Artigos
  • 100 DevCasts
  • 30 Projetos
  • 80 Guias
Tenha acesso completo