De que se trata o artigo

A modelagem de processos é hoje o principal motor da organização para melhoria contínua de seus processos internos e externos. Neste contexto, o objetivo deste artigo é esclarecer os diversos aspectos e benefícios da modelagem e gerenciamento de processos utilizando o ARIS (Architecture of Integrated Information Systems).

Em que situação o tema útil

A modelagem de processos com ARIS pode ser aplicada nos mais diversos ambientes corporativos, visto a aplicabilidade universal do gerenciamento de processos.

Autores: Ronney Moreira de Castro, Wellington Moreira de Oliveira e José Luis Braga

As empresas de hoje estão cada vez mais voltando sua atenção para os mercados emergentes com o objetivo de conquistar clientes. A qualidade de seus produtos deve ter um grau elevado de aceitação e qualidade e, para isso ser possível, é necessário possuir processos bem definidos e que sejam seguidos por toda a corporação.

O Aris (Architecture of Integrated Information Systems) é uma plataforma completa de modelagem, controle e execução de processos, capaz de fornecer uma base para qualquer empresa organizar, manter e inovar seus processos ao longo do tempo. Neste artigo, primeiramente, será apresentada uma visão geral sobre o que é processo e qual o seu relacionamento com a indústria. Em seguida serão apresentados os conceitos de modelagem e como utilizar a Plataforma ARIS para este propósito.

Um pouco de história

Na antiguidade, o homem descobriu que era necessário conviver em sociedade. Nesse momento da história algumas pessoas encontraram oportunidade para um processo de comercialização de produtos e serviços com outros grupos. Mais tarde as estruturas empresariais formais cresceram formando o grande sistema monetário que é conhecido hoje, onde o objetivo principal é o lucro. Isso demonstra que a finalidade principal tanto dos proprietários quanto dos empregados de uma organização é a geração do retorno financeiro em troca de tempo e recursos financeiros investidos [2].

Cada tipo de negócio disponibiliza produtos ou serviços diferentes para seus clientes com o objetivo de gerar lucro em forma de vendas e, além disso, agregar um valor final que pode ser criado de formas diferentes dependendo do tipo de negócio. Um exemplo é um lojista cujo principal ideal é a entrega de produtos de qualidade para seu público alvo. Outro exemplo é do fabricante de veículos que consiste na produção de diferentes tipos e modelos de carros para atender necessidades e desejos diferentes de seus clientes. Com o crescimento da competição entre as empresas por diferentes mercados, recursos e competências, somente aquelas capazes de fornecer valor para seus clientes poderão sobreviver.

Henry Ford disse: “O cliente pode ter o carro da cor que quiser, contanto que seja preto” [2]. Dessa forma, os clientes não poderiam expressar seus requisitos individuais, pois a cor era única. O principal objetivo de Ford era alcançar uma maior eficiência em termos de tempo e custo usando o conceito de “linha de produção” ou “linha de montagem” repetindo continuamente uma sequência de tarefas. Através desse processo de decompor uma grande tarefa em pequenas tarefas mensuráveis, Ford reduziu drasticamente o custo da produção. A cor preta possuía uma secagem mais rápida, com isso o valor era reduzido e o veículo poderia ser vendido por um preço menor. Ideias semelhantes podem ser associadas a Frederick Winslow Taylor com seu “Taylorismo” [11] que continua influenciando organizações até os dias de hoje.

Praticamente tudo o que é feito em negócios é dirigido por processos. Até mesmo as pessoas têm processos em seu dia a dia, mesmo que sejam totalmente ad-hoc (ler Nota 1). A ideia de analisar e otimizar os processos foi transferida da indústria da manufatura para outros setores como, por exemplo, o financeiro. Tudo o que é feito em uma organização que possa gerar valor, oferecendo produtos e serviços, é controlado por processos. Gerenciar esses processos implica em verificar e analisar detalhadamente atividades importantes e recursos da companhia, tais como mercado, tarefas, pessoas, transações financeiras, etc [8].

Segundo [2], em meados dos anos 80 e 90, muitos processos tradicionais passaram por uma transição devido à abertura de mercados globais e a quebra de barreiras tradicionais para comércio. Essa situação gerou o “Business Process Re-engineering” (BPR) como conceito de melhoria na eficiência e na eficácia de processos através de documentação, análise e mudança dos processos de negócio.

Nota 1. ad-hoc

Neste contexto, o termo ad-hoc se refere a ciclos de construção de software ou processos que não foram devidamente projetados em função da necessidade de atender rapidamente uma determinada demanda.

Essa reengenharia de processos foi incorporada por August-Wilhelm Scheer, um professor alemão de administração de empresas e informações de negócios da ...

Quer ler esse conteúdo completo? Seja um assinante e descubra as vantagens.
  • 473 Cursos
  • 10K Artigos
  • 100 DevCasts
  • 30 Projetos
  • 80 Guias
Tenha acesso completo