Atenção: esse artigo tem um vídeo complementar. Clique e assista!

De que se trata o artigo

Este artigo apresenta o estudo da aplicação de um workflow para o ensino e aprendizagem da modelagem de diagramas da UML. Para isto, este estudo utilizou as características e benefícios dos mapas conceituais para auxiliar no entendimento da elaboração do diagrama, na qual pode ser utilizado tanto no ensino presencial como no ensino a distância. As principais contribuições deste trabalho foram a implementação do workflow para ajudar no ensino-aprendizagem dos modelos da UML, a definição do mapa conceitual representando a rastreabilidade para modelagem dos diagramas.

Em que situação o tema útil

Para facilitar o processo de ensino e aprendizagem da UML.

Resumo DevMan

A qualidade em sistemas de software passa pela qualidade das especificações e modelagem destes sistemas. Neste sentido, a UML apresenta uma série de diagramas para a construção de sistemas baseados no paradigma da orientação a objetos. Neste contexto, este artigo esta artigo apresenta uma proposta de uso do mapa conceitual e workflows visando o melhor entendimento da relação dos diagramas da UML.

Autores: Sergio Akio Tanaka, Simone Sawasaki Tanaka e Rodolfo Miranda de Barros

Para desenvolver um software, é necessário obedecer a uma série de normas e diretrizes e respeitar todo um processo de desenvolvimento para que se tenha um produto de qualidade. A qualidade pode oferecer segurança tanto em relação aos dados, quanto ao seu funcionamento, atendendo totalmente aos requisitos para os quais ele foi concebido.

Dessa forma, criar mecanismos para facilitar o desenvolvimento de software é uma iniciativa que vem sendo adotada por muitas empresas e institutos de pesquisas para aumentar a produtividade e a qualidade dos produtos intermediários e dos produtos finais. Há diversas formas de aumentar a produtividade, sejam elas ligadas ao desenvolvimento, como direcionados à área de análise e projeto.

No início do desenvolvimento orientado a objetos, havia vários métodos utilizados na análise, cada um com suas características, porém nenhum completo. Para atender a necessidade de uma padronização foi criada a Unified Modeling Language (UML) (ler Nota 1), linguagem de modelagem não muito rígida e nem muito engessada, com escopo nem muito estreito e nem muito abrangente, com o objetivo de atender as necessidades do mundo real [8].

Nota 1. UML

A UML é uma linguagem gráfica e textual usada no desenvolvimento orientado a objetos (OO) para visualização, especificação, construção e documentação de informações referentes a um software (ler Nota 2).

Essa linguagem foi criada em 1996, como o resultado da integração dos métodos orientados a objetos propostos por Booch (1994), Rumbaugh (1991) e Jacobson (1993), padronizando as notações utilizadas. Na versão 1.1, foi aprovada como linguagem padrão para a modelagem orientada a objetos pela OMG (Object Management Group) em 1997.

A definição da UML encontra-se na "Especificação de Modelagem Unificada da OMG", no site da OMG, com o objetivo de descrever qualquer tipo de sistema, em termos de diagramas orientados a objetos. A versão 2.0 da UML foi adotada pela OMG em 2004, possuindo 13 diferentes tipos de diagramas, mais elementos e maior formalismo. A versão corrente é 2.4 (beta), de março de 2011.

A linguagem de modelagem UML é independe da linguagem de programação que o sistema será desenvolvido. Porém, a depender da semântica da linguagem de programação a ser utilizada na codificação do software, certas características da UML devem ser evitadas na modelagem desse software, pois podem não estar implementadas pela linguagem de programação.

...
Quer ler esse conteúdo completo? Seja um assinante e descubra as vantagens.
  • 473 Cursos
  • 10K Artigos
  • 100 DevCasts
  • 30 Projetos
  • 80 Guias
Tenha acesso completo