Por que eu devo ler este artigo:O Windows é o sistema operacional mais utilizado no mundo e sua mais recente versão tende a alcançar a marca de 1 bilhão de usuários em breve, sendo executado em diversos dispositivos, tanto desktop, como mobile, IoT e outros. Desenvolver aplicativos para esse sistema significa alcançar milhões de usuários em potencial. Conhecer a Plataforma Universal do Windows é importante para quem deseja acompanhar uma das principais tendências do mercado mobile e ter seus aplicativos sendo executados em vários dispositivos com o novo sistema operacional da Microsoft.

Durante muitos anos, com a comercialização e evolução do Windows, Microsoft juntou muita informação e também aprendeu sobre os seus erros e acertos nas diversas mudanças feitas no Sistema Operacional. Além disso, permitiu que os usuários dessem feedbacks, durante o desenvolvimento da mais recente versão do SO, o que permitiu que o Windows 10 pudesse trazer as melhores características de todos os sistemas operacionais anteriores e também uma visão bem adiantada, até mesmo futurística, sobre os dispositivos em que pode ser utilizado.

O Windows 10 trouxe dois fatores interessantes quando comparado aos seus predecessores. Primeiro, a Microsoft não impôs um limite em relação a dispositivos, esse novo sistema operacional poderá rodar em desktops, em tablets, em smartphones, em dispositivos embarcados e até em coisas que ainda “não existem”, para onde a tecnologia puder evoluir, como no caso do HoloLens (maiores informações na seção Links). Segundo, versão desktop, diferente do Windows 8 e 8.1, onde as aplicações modernas rodavam em tela cheia ou dividiam a tela com outro aplicativo, no Windows 10 essas aplicações passaram a executar em janelas, como todos os outros aplicativos que vinham sendo desenvolvidos há anos para o sistema operacional Windows. Isso também trouxe uma grande mudança ao desenvolver essas aplicações modernas, pois não temos mais um tamanho predeterminado da tela, a janela pode ter qualquer tamanho que o usuário desejar.

Plataforma Universal do Windows (UWP)

Com a introdução do Windows 10, a diferença mais importante para o desenvolvedor é que não desenvolvemos mais aplicativos modernos diretamente para o sistema operacional Windows. Existe agora uma camada intermediária entre o sistema operacional (Windows 10) e as APIs de desenvolvimento, conforme mostra a Figura 1.

Figura 1. Estrutura das APIs de desenvolvimento

Essa camada é chamada de Plataforma Universal do Windows ou UWP (Universal Windows Platform). Assim os aplicativos modernos que desenvolvemos não têm mais como alvo o Windows 10 e sim a UWP.

Essa plataforma, como o próprio nome sugere, é universal, o que significa que qualquer dispositivo que implemente essa plataforma será compatível com nossa aplicação. Ser compatível significa também que nós precisamos desenvolver apenas um único executável, binário, e ele poderá ser executado em qualquer dispositivo da plataforma.

Não precisamos mais gerar um código para smartphone, outro para o desktop e outro para o Xbox. Com apenas um código gerado, ele já é compatível com todos esses dispositivos. Além disso, não temos mais as lojas das versões anteriores do Windows e Windows Phone separadas. Essas foram unificadas. Agora enviamos apenas um arquivo binário para uma única loja. Com isso nossos aplicativos estão acessíveis a qualquer usuário da plataforma, independente do dispositivo que ele estiver usando.

Com tantos dispositivos disponíveis no mercado (e que ainda estão por vir) parece impossível fazer um aplicativo, com uma boa experiência de uso, em formatos e dimensões tão abrangentes. Pensando nisso a Microsoft dividiu esses dispositivos em grupos com características semelhantes, conforme mostra a Figura 2.

Figura 2. Grupos de dispositivos

Família de dispositivos

Com o Windows 10 não é mais preciso focar em um sistema operacional, você direciona em vez disso seu aplicativo para uma ou mais famílias de dispositivo. Uma família de dispositivos identifica as APIs, as características do sistema e os comportamentos esperados entre os devices. Ela também determina o conjunto de dispositivos nos quais seu aplicativo pode ser instalado na loja. Veja a hierarquia de família de dispositivos na Figura 3.

Figura 3. Hierarquia de família de dispositivos

Conforme veremos na última sessão deste artigo, quando criamos um aplicativo UWP, o Visual Studio cria vários arquivos para o projeto. Um desses arquivos é o Package.appxmanifest. Neste arquivo, entre outras configurações, descrevemos em que família de dispositivos nosso aplicativo poderá rodar. Nesse contexto nos interessam os atributos: Name e MinVersion do elemento TargetDeviceFamily.

Ao tentar abrir esse arquivo no Visual Studio, por padrão é mostrada uma tela de configuração, mas para ver o conteúdo do arquivo em XML, devemos selecioná-lo no Solution Explorer e pressionar F7. Outra maneira seria clicar com o botão direito do mouse sobre o arquivo e clicar a seguir em View Code. Por padrão o Name contém Windows.Universal e MinVersion contém 10.0.0.0.

Para especificarmos que o nosso aplicativo estará disponível para todos os dispositivos e versões do UWP existentes, devemos configurar de maneira semelhante à Listagem 1 ...

Quer ler esse conteúdo completo? Seja um assinante e descubra as vantagens.
  • 473 Cursos
  • 10K Artigos
  • 100 DevCasts
  • 30 Projetos
  • 80 Guias
Tenha acesso completo