Por que eu devo ler este artigo: Este artigo objetiva apresentar conceitos estudados na área de banco de dados, servindo como base para que iniciantes na área possam entender com mais facilidade outros textos técnicos.

Um Banco de Dados representa uma coleção de dados que possui algum significado e objetiva atender a um conjunto de usuários. Por exemplo, um catálogo telefônico pode ser considerado um BD. Sendo assim, um BD não necessariamente está informatizado.

Quando resolvemos informatizar um Banco de Dados, utilizamos um programa especial para realizar essa tarefa. Tal programa é denominado SGBD – Sistema Gerenciador de Banco de Dados.

Podemos citar como exemplos de SGBDs: SQL Server, Oracle, Firebird, MySQL, Interbase, entre outros. Estes programas em geral são chamados SGBDs relacionais.

Em um SGBD relacional, enxergamos os dados armazenados em uma estrutura chamada tabela. Neste modelo, as tabelas de um Banco de Dados são relacionadas, permitindo assim que possamos recuperar informações envolvendo várias delas. Observe o exemplo abaixo:

Tabela Clientes está relacionada com a tabela Telefones
Neste caso, a tabela Clientes está relacionada com a tabela Telefones.

Note que o cliente Marcio possui dois telefones: um residencial e um celular. A cliente Luciane possui um telefone celular, Wilkie possui um residencial e Marlos não possui telefone.

Entretanto, para que possamos implementar, de forma correta, um Banco de Dados utilizando algum SGBD, temos que passar por uma fase intermediária – e não menos importante - chamada modelagem de dados.

Quando estamos aprendendo a programar, em geral dividimos esta tarefa em três fases:

  • Entendimento do problema;
  • Construção do algoritmo;
  • Implementação (linguagem de programação).

Em se tratando de banco de dados não é muito diferente:

  • Entendimento do problema;
  • Construção do modelo ER – entidade e relacionamento;
  • Implementação (SGBD).

Entender determinado problema nem sempre é uma tarefa fácil, principalmente se você não está familiarizado com a área de atuação de seu cliente. O profissional de informática precisa dominar a tecnologia, e além disso precisa ter habilidade para saber ouvir o cliente e ao mesmo tempo abstrair o que realmente é necessário para a implementação de alguma solução utilizado a tecnologia (in)disponível.

Antes da implementação em um SGBD, precisamos de uma descrição formal da estrutura de um banco de dados, de forma independente do SGBD. Essa descrição formal é chamada modelo conceitual.

Costumamos representar um modelo conceitual através da abordagem entidade–relacionamento (ER). Nesta abordagem construimos um diagrama, chamado diagrama entidade-relacionamento. Observe abaixo o diagrama que originou as tabelas Clientes e Telefones:

Diagrama que originou as tabelas Clientes e Telefones

Saiu na DevMedia!

  • Autenticação em Aplicações Web:
    Tornar algumas páginas acessíveis apenas a um grupo de usuários autenticados é uma tarefa trivial em aplicações web. Existem diferentes frameworks para isso, mas a maioria deles cobre desde o cadastro até as credenciais, passando pela autenticação e controle de acesso. Quer saber qual a lógica por trás dessas etapas?
  • React Native: do Hello World ao CRUD:
    React é um framework JavaScript criado pelo Facebook para facilitar a construção de interfaces de usuário. React Native, da mesma empresa, nos permite criar aplicações mobile nativas utilizando JavaScript, na lógica, e React, para estruturar as views.

Saiba mais sobre Banco de Dados e Modelagem de Dados ;)

  • Guia de Modelagem de Dados:
    Essa guia terá como objetivo apresentar a modelagem de dados, desde seus primeiros passos com banco pequenos até a modelagem para bancos Big Data.
  • Banco de Dados para Programadores:
    Todo programador deveria entender de banco de dados para ser um profissional mais completo, mas isso não é tarefa simples. Nesse guia você irá aprofundar seus conhecimentos em SQL, modelagem, e os principais SGBDs do mercado. Vamos evoluir!