Por que eu devo ler este artigo:Hoje em dia, a programação na nuvem vem ganhando muito destaque e o Windows Azure aparece como uma das principais soluções de PaaS (Platform as a Service).

Porém, o grande problema dos sistemas de computação na nuvem é garantir a segurança e para isso, o Azure fornece várias ferramentas, como a autenticação no acesso. Além disso, o desenvolvedor pode utilizar outras ferramentas para garantir que seus dados estarão totalmente seguros na nuvem, tais como criptografia e segurança na transmissão dos dados.

Além disso, o Azure foi criado em cima do SDL (Security Development Lifecycle), o que garante que se trata de um sistema robusto em termos de segurança. Esse artigo mostra o que são e como utilizar essas ferramentas.

Muitas grandes empresas, como Amazon e Microsoft, estão investindo em tecnologias que permitem que empresas menores utilizem sua infraestrutura computacional apenas alugando esses computadores por um determinado tempo.

Esse tipo de coisa é interessante tanto para o comprador, que não necessita gastar fortunas em uma infraestrutura própria, e para quem está alugando, que possui vários elementos computacionais ociosos durante boa parte do tempo.

Um dos principais problemas potenciais é que a computação na nuvem pode causar a falta de segurança nessas transações. Por isso, ainda hoje há muita desconfiança em cima do serviço, afinal, quando os seus dados estão devidamente protegidos fisicamente dentro de sua empresa, a sensação de segurança é muito maior do que quando não se sabe exatamente onde eles estão e em qual lugar da nuvem.

O que não se percebe é que há diversas técnicas que podem garantir a segurança desses dados, protegendo-os de eventuais ataques cibernéticos.

Computação na nuvem

A grande ideia por trás da computação na nuvem é que o utilizador paga apenas por aquilo que ele utilizar. Entretanto, existem algumas diferentes abordagens que dizem respeito a como essa frase é interpretada pelos vendedores

. Existe uma grande diferença entre utilizar um serviço hospedado na nuvem por um determinado tempo e utilizar uma infraestrutura computacional, também na nuvem, por um tempo.

A diferença nas abordagens é que fazem com que a computação na nuvem seja um termo tão amplo e utilizado por muitas pessoas ao redor do mundo.

As três grandes abordagens da computação na nuvem são: Infrastructure as a Service (IaaS), Software as a Service (SaaS) e Platform as a Service (PaaS).

No que diz respeito ao IaaS, alguns vendedores alugam sua infraestrutura computacional (servidores e clusters) para pessoas que necessitam utilizar tal infraestrutura. Então, o utilizador configura remotamente e instala suas soluções nessa infraestrutura remota que foi alugada.

Já o SaaS é uma abordagem que está sendo utilizada mundialmente hoje em dia, e é de longe a mais utilizada das três abordagens de computação na nuvem.

O conceito é muito simples: uma empresa qualquer necessita de um software. Outra empresa possui esse software e está disposta a alugá-lo por, vamos dizer, uma taxa mensal.

Então, as duas empresas selam um contrato, com responsabilidades de ambos os lados e o software é disponibilizado na nuvem para que a empresa compradora possa utilizá-lo. Esse tipo de abordagem vem como uma substituição ao conceito de comprar o software e tê-lo para sempre.

Por fim, a abordagem do PaaS permite que seja alugada uma plataforma onde é possível depurar aplicações e desenvolver outras sem a necessidade de configurar a infraestrutura da mesma.

É nesse tipo de abordagem que o Windows Azure se encaixa melhor. Por exemplo, não há a necessidade de perder muito tempo com configurações da infraestrutura, o que traria uma desnecessária perda de tempo. Por outro lado, trata-se de uma plataforma, e não apenas um software, o que permite uma gama de possibilidades.

Essa abordagem geralmente fornece elementos para design de aplicações, desenvolvimento, teste e hospedagem. Em outras palavras, o usuário do serviço possui uma plataforma completa para desenvolvimento de aplicações sem a necessidade de gastar com uma infraestrutura ou comprar vários softwares e configurá-los adequadamente.

A computação na nuvem pode não ser uma boa ideia para todos. Como sabemos, o principal motivo que impede que mais empresas adotem a computação na nuvem diz respeito à segurança. Muitas vezes, os dados são tão importantes que todas as técnicas de criptografia e segurança aplicadas aos dados podem não ser suficientes.

Outro ponto que deve ser levado em consideração é o tanto de customização que é necessário para sua aplicação. Caso essa quantidade seja muito elevada, é preciso repensar a necessidade da utilização da nuvem.

Microsoft Windows Azure

Ao utilizar o Azure, não há necessidade de se preocupar com detalhes técnicos específicos da infraestrutura de computação que está por baixo da plataforma. Uma vantagem com relação aos concorrentes é a capacidade de esconder completamente esses detalhes. Embora isso traga uma perda considerável em controle (o desenvolvedor não tem ideia onde seu dado está armazenado, fisicamente, por exemplo), na maioria dos casos o controle não é necessário e traria mais problemas que soluções.

A ideia por trás ...

Quer ler esse conteúdo completo? Seja um assinante e descubra as vantagens.
  • 473 Cursos
  • 10K Artigos
  • 100 DevCasts
  • 30 Projetos
  • 80 Guias
Tenha acesso completo