Borland garante evolução do Delphi e de suas outras ferramentas de desenvolvimento

 

 Divisão das linhas de produtos corporativos (ALM) das ferramentas de desenvolvimento (IDE) objetiva o crescimento isolado de cada segmento

 

 Em coletiva de imprensa realizada na última quarta-feira, a Borland Software anunciou que é de até 90 dias o prazo para a conclusão do processo de divisão das suas linhas IDE (Integrated Development Environment) e ALM (Application Lifecycle Management). Matthew Thompson, Vice-Presidente Global de Vendas, esteve no País para comunicar as estratégias e o posicionamento da companhia para o mercado brasileiro. Na oportunidade, os executivos da Borland ressaltaram que os seus profissionais responsáveis pelas ferramentas de desenvolvimento estarão na nova companhia, ainda sem nome revelado. David I, Vice-Presidente de Relacionamento com Desenvolvedores, está à frente das negociações e comprometido com a evolução do Delphi e das demais ferramentas de IDE.

 

 “Neste ano, já foram disponibilizados dois updates do Delphi 2006 e o roadmap (cronograma de versões) do principal IDE da Borland está garantido. Nosso Grupo de Desenvolvedores de Ferramentas está direcionando seus esforços para atingir esse objetivo”, assegura José Eugênio Braga, diretor comercial e de marketing da Borland no Brasil. O executivo completa: nossa comunidade mundial de usuários de Delphi já ultrapassa os 2 milhões de desenvolvedores. “A Borland está certa de que esse público será melhor atendido e representado com a criação da nova empresa”, argumenta Braga. Somente no Brasil, a ferramenta é utilizada em cursos de tecnologia de mais de 200 universidades.

 

No Brasil, o presidente local da Borland, José Rubens Tocci, afirma que manterá a comercialização dos IDEs dentro de seus pacotes ALM para o mercado corporativo. “É natural direcionarmos nossos esforços em modelos distintos de negócios para oferecer um melhor atendimento aos dois públicos. Para tanto, são necessárias estruturas operacionais e de marketing diferentes, que atuem de maneira estratégica e focada”, diz o executivo.

A Borland já havia anunciado em fevereiro deste ano a busca por investidores externos para a linha de soluções IDE (Delphi®, C++Builder® e C#Builder®) e JBuilder®), já que o mercado que atende os desenvolvedores individuais de software difere-se dos clientes corporativos que demandam ALM.

 

Para o VP Global de Vendas da Borland, a divisão da empresa se tornou necessária graças ao crescimento dos negócios de produtos e serviços de gerenciamento do ciclo completo de desenvolvimento de aplicações (Application Lifecycle Management -- ALM), após as últimas aquisições realizadas pela Borland. O executivo acredita que esta é uma oportunidade ímpar para o aumento do market share da companhia no Brasil e estima contratações para as equipes técnicas.

Para direcionar os seus esforços e manter a liderança no fornecimento de soluções para o Gerenciamento do Ciclo de Vida de Aplicações, a Borland iniciou um movimento de aquisições há três anos, quando comprou as companhias Starbase e Together. Em 2005, a Borland adquiriu a TeraQuet, uma consultoria de processos especialista em certificações de CMM (Capability Maturity Models). No final deste mesmo ano, a companhia assumiu também o controle acionário da Legadero, agregando soluções de Gerenciamento e Governança de TI ao seu portfolio.

 

Com a contratação do CEO e Presidente da companhia, Tod Nielsen, a Borland adquiriu, em 2006, duas importantes companhias no segmento de gerenciamento de qualidade de software: Gauntlet Systems e a Segue Software, capacitando-se na tecnologia para a fase de testes.

O Ciclo de Desenvolvimento de Aplicações (ALM) compreende as fases:

 

·         Gerenciamento (StarTeam)

·         Requisitos (CaliberRM)

·         Arquitetura (Together)

·         Desenvolvimento (Delphi, JBuilder e C++Builder)

·         Teste (Linhas Gauntlet e Segue Software)

·         Distribuição (BES, Interbase e JDataStore)

·         Gerenciamento e Governança de TI (Borland Tempo)

 

“Nosso comprometimento com o futuro do desenvolvimento de software é permanente e, por isso, optamos por criar uma empresa para atender exclusivamente aos desenvolvedores individuais, oferecendo ricos recursos, alta tecnologia e suporte integral. Queremos que as comunidades usuárias de Delphi estejam em constante aprimoramento de desempenho e produtividade, já que possuem papel fundamental no Ciclo de Desenvolvimento de Software”, explica Matthew Thompson.

Manter a crescente liderança no mercado de ALM e expandir sua capacidade de oferecer às empresas soluções que transformam a criação de software em um processo de negócio mais previsível e gerenciável também é objetivo da Borland.

 

A venda direta dos produtos Delphi, Jbuilder e C++ para os desenvolvedores individuais de software será responsabilidade da nova companhia, que terá seu nome revelado em até três meses. No mercado brasileiro, o Delphi têm se apresentado cada vez mais atrativo. O lançamento da versão 2006 superou em 50% a expectativa da Borland. A nova empresa oferecerá ainda mais subsídios para o crescimento da ferramenta no Brasil, atendendo os clientes com excelência.

Matthew Thompson acrescenta ainda que a importância da Borland no mercado está em oferecer ferramentas que contribuam para que as empresas de todo o mundo aumentem o valor do seu negócio com iniciativas de software bem-sucedidas.