Quer ter acesso a todos os cursos desse Guia?

Guia de Android

Poucas carreiras oferecem tantas possibilidades quanto a de programador Android. Aqui neste guia você aprenderá a criar aplicativos que armazenam dados localmente ou remotamente, acessam o hardware do dispositivo e muito mais.

Primeiros Passos

Por ter chegado aqui imagino que você já tenha decidido ser um programador mobile para Android. Caso contrário, se falta um empurrãozinho nesse sentido, assista ao bate papo no vídeo a seguir, no qual falamos sobre porquê escolher essa carreira.

Programar para Android é imergir em um sistema operacional que possui a sua própria API de desenvolvimento, ferramentas e cultura. Por isso pesquisamos quais são as principais dúvidas de quem está começando na programação mobile nativa para essa plataforma e respondemos as principais dentre elas no vídeo abaixo. Saiba qual é o investimento inicial, se é mesmo hora de abandonar o Java para estudar Kotlin e muito mais.

Além disso, tem como programar para Android sem necessariamente utilizar a sua linguagem, mas usando JavaScript. E o melhor, acessando os recursos nativos do Android. Para isso você deve usar o React Native, que você conhece melhor nessa série:

Conhecendo o Android Studio

Desde o seu lançamento na Google I/O em 2013, o Android Studio se consolidou como um ambiente de desenvolvimento completo para a programação de aplicativos nativos para Android. De fácil instalação e configuração, conforme você verá no curso a seguir, atualmente ele é a única ferramenta necessária para iniciar nesta plataforma.

Kotlin

Kotlin é uma linguagem de programação desenvolvidada pela JetBrain e juntamente com o Java são altamente interoperáveis, podendo ser usadas juntas no mesmo projeto. Inclusive, o Kotlin tem como base, e é executado na mesma Máquina Virtual do Java. Desde o lançamento do Android Studio 3.0 em outubro de 2017, o Kotlin é incluído como uma alternativa ao compilador Java padrão.

Para conhecermos um pouco sobre ela, selecionamos os seguintes conteúdos:

Fundamentos de aplicativo

O desenvolvimento de aplicativos utiliza alguns componentes como ponto de partida. Eles nos permitem criar interfaces de usuário, executar tarefas em segundo plano e implementar muitas outras rotinas em um aplicativo. Cada componente possui uma classe correspondente no Android SDK, com exceção do Content Provider, que possui uma arquitetura um pouco mais elaborada.

Os cursos e os projetos abaixo apresentam o que são os componentes de aplicativo e o que podemos fazer com eles.

Activities

Atividades são as interfaces de usuário em aplicativos Android. Elas possuem um ciclo de vida e podem ser iniciadas pelo sistema operacional após o recebimento de uma chamada ou uma mudança no posicionamento da tela do aparelho. Descubra como lidar com tudo isso aqui:

Intent

Os componentes de aplicativo podem trocar mensagens entre si utilizando um Intent. Nesse contexto, é comum utilizarmos um Intent para enviar algum dado de uma atividade para outra, como você aprenderá neste conteúdo:

Broadcast Receivers

Nosso próximo ponto de parada são os receptores de transmissão com os quais um aplicativo poderá ouvir o que o sistema operacional Android tem para dizer. No projeto a seguir exemplificamos esse comportamento fazendo com que o aplicativo execute uma ação em resposta a notificação de bateria em baixa carga emitida pelo Android.

Content Providers

Alguns aplicativos são também provedores de conteúdos, permitindo que os dados por eles armazenados sejam acessados por outros aplicativos. Um bom exemplo disso é a agenda de contatos do aparelho. Esse compartilhamento de informações entre aplicativos é possível graças a uma arquitetura bem definida, na qual um aplicativo pode implementar apenas o lado de quem consome os dados, de provedor ou ambos os papéis ao mesmo tempo.

Exemplificamos neste projeto como podemos solicitar os dados de um provedor de conteúdo acessando a agenda de telefones do aparelho.

Fragments

É comum precisarmos manipular, adicionar ou remover certos conteúdos em uma interface de usuário dinamicamente, enquanto o aplicativo está em execução. Igualmente, uma mesma funcionalidade do aplicativo pode precisar estar disponível em mais de uma atividade e, naturalmente, precisamos de um mecanismo que nos permita duplicar funcionalidades sem repetir código. É em cenários como esses que percebemos a importância dos Fragments:

Bancos de dados e Adapters

Na arquitetura de aplicativos Android os adapters são muito utilizados para adicionar dados em uma interface de usuário sem conectá-la diretamente a uma fonte de informação. Quando iniciamos na programação de bancos de dados é comum lidarmos com adapters para desacoplar as camadas de acesso a dados e apresentação do projeto. Por isso, decidimos falar sobre esse assunto nesta seção, vamos lá?

Acesso ao hardware e recursos do aparelho

Acessar o hardware, bem como consumir certos recursos do aparelho com um baixo consumo de energia e alta performance é um grande diferencial em aplicativos nativos. Nesta seção, demonstramos como fazer isso, apresentando como as classes do SDK abstraem a comunicação com componentes de baixo nível e recusos em smartphones.

Sensores

Diversos aplicativos são criados atualmente tendo como ponto de partida o consumo de certas informações do aparelho, como a sua movimentação, velocidade ou posicionamento. Esses dados são obtidos a partir de sensores, nosso primeiro ponto de parada nesta seção sobre o acesso ao hardware na plataforma Android.

Bluetooth

Um outro recurso ainda muito utilizado para a troca de informações entre aparelhos, devido ao seu baixo consumo de energia é o Bluetooth, presente na maioria dos dispositivos:

NFC

Near Field Communication é uma tecnologia cujo funcionamento é semelhante ao Bluetooth, mas que não necessita do emparelhamento dos aparelhos. Saiba como utilizá-la aqui.

Mídia

Som e imagem são recursos comumente utilizados para enriquecer a experiência do usuário em relação ao aplicativo. Para isso o Android oferece suporte a diferentes tipos de mídia com os quais aprendemos a lidar nestes conteúdos:

Consumindo web services

É raro usarmos aplicativos que não acessam a internet para realizar todas ou parte das suas tarefas. Atualmente, é a programação distribuída o modelo com qual lidamos ao projetar aplicações, o que vem permitindo uma evolução na experiência do usuário, que pode acessar os seus dados a partir de um navegador, site ou aplicativo, necessitando apenas estar conectado a internet para isso. É importante para o programador que almeja criar participar da criação desses sistemas saber como acessar web services, o que demonstramos nesta seção.

Tarefas assíncronas

A programação em rede para Android começa entendendo o que são as tarefas assíncronas, cujo término independe do fluxo da aplicação e está vinculado a resposta do servidor, o que pode acontecer em qualquer momento após uma requisição ter sido disparada.

Google Volley

Trata-se de uma tecnologia apropriada para o tráfego de dados entre aplicações e servidores que, de forma geral, substitui a criação de tarefas assíncronas, simplificando esse tipo de implementação.

Retrofit

Em cenários nos quais precisamos nos comunicar com web services RESTful, algo muito comum atualmente, é um consenso entre a comunidade de desenvolvedores optar pela API de alto nível Retrofit. Dentre as suas funcionalidades está a transformação de mensagens de texto em formato json em classes da camada de modelo, e vice versa, de forma automática. Confira!

RESTful e SOAP

Aqui nesta seção apresentamos diferentes formas de consumir web services, incluindo RESTful e SOAP, a partir de um aplicativo Android.

Google maps

Google Maps é o serviço de geolocalização da Google. Com ele é encontramos lugares de acordo com a posição do aparelho e suas preferências de pesquisa. Nos conteúdos abaixo reunimos uma série artigos para que você possa dominar essa tecnologia.

Boas práticas

Como em toda linguagem e plataforma de programação, existem algumas sugestões de boas práticas para a construção de aplicações Android, que visam melhorar sua qualidade e facilitar a sua manutenção. Confira nos artigos abaixo algumas delas e como implementá-las:

Na prática

Hora de praticar os conhecimentos adiquiridos até aqui com projetos maiores. Os cursos nesta seção apresentam como instalar dependências no projeto, trabalhar com a biblioteca de compatibilidade para customizar o seu aplicativo e muitos outros recursos da plataforma Android. Pronto para começar?

Chegou a hora de criar um aplicativo completo no Android Studio! Topa? No curso abaixo você terá tudo o que precisa para isso.

Projetos

Nesta seção você encontra projetos completos para download, que você pode utilizar ou modificar para criar novos aplicativos Android nativos.

Mais sobre Android

Além dos cursos e exemplos sugeridos nesse guia, a DevMedia publica com frequência novos conteúdos sobre programação Android, os quais você pode conferir nos Guias de Consulta abaixo:

Além disso, você pode conferir todo o conteúdo sobre programação mobile clicando aqui.

<Formação completa Programador FullStack/>
  • Conteúdo Front-end, Back-end e Mobile
  • Plano de estudo linear
  • +10 mil exercícios gamificados
  • +50 projetos reais
  • Comunidade com + 200 mil alunos
  • Suporte 365 dias do ano
  • 12 meses de acesso

Perguntas frequentes

Quem somos?
A DevMedia é uma escola de formação de programadores com mais de 20 anos de mercado. Já formamos mais de 100 mil programadores. A DevMedia ensina programação web, (desenvolvimento de site e aplicativos para celulares). A programação web é a área que mais contrata programadores em todo o mundo, sendo a maior porta de entrada para a área da tecnologia.
Por que a programação se tornou a profissão mais promissora da atualidade?
Nunca o mundo necessitou tanto de programadores como atualmente. Com a quarentena estabelecida pela Covid-19, lojas, restaurantes, escritórios e escolas, que tiveram suas atividades paralisadas, perceberam a urgente necessidade de adaptar seus negócios para o mundo digital. Em contrapartida as empresas de tecnologias, durante esse período, cresceram como nunca tanto em faturamento quanto em número de usuários. Com isso a necessidade de programadores cresceu muito. Empresas de grande e pequeno porte estão com vagas abertas e não conseguem contratar por falta de profissionais qualificados. No momento estima-se que o número de oportunidades no Brasil seja acima de 200 mil!
Como faço para começar a estudar?
Programação é um universo amplo, existem muitos caminhos e por isso é muito fácil se perder. Nosso conselho é: NÃO ESTUDE SOZINHO. Infelizmente 78% das pessoas que começam a estudar sozinhas desistem da profissão por não conseguirem aprender. Com uma boa orientação elas teriam conseguido! Se você tomou a decisão de entrar nesse mercado, faça um investimento no seu futuro e busque aprender com quem sabe. Isso vai triplicar suas chances de dominar a programação e conquistar uma vaga no mercado.
Em quanto tempo de estudo vou me tornar um programador?
O tempo depende, claro, da dedicação de cada estudante. A DevMedia ensina programação há 20 anos e com toda essa experiência montamos uma metodologia que tem como objetivo principal acelerar os seus estudos. Você terá um Plano de Estudo para te orientar em todos os passos do aprendizado. Desenvolverá diversos projetos reais para colocar em prática os conhecimentos e contará com o melhor suporte ao aluno da web. Todas as suas dúvidas serão respondidas de imediato. Seguindo nossa metodologia e se dedicando, entre 6 meses e um ano você já estará programando.
Sim, você pode se tornar um programador e não precisa ter diploma de curso superior!
Ser programador é uma das maiores oportunidades que o Brasil oferece para quem não tem condições de fazer uma faculdade. Muitas empresas contratam sem fazer questão de diploma, o que importa para elas é que o candidato seja um bom técnico e consiga atender suas necessidades. Os salários iniciais para programadores são de R$2.500 mil, podendo chegar aos R$15 mil para aqueles que se dedicam. Com disciplina e um estudo correto, que não te faça perder tempo, é possível se tornar um programador em menos de um ano de estudo. Quando você já estiver empregado, aí sim você pode se aprimorar ainda mais fazendo uma faculdade na área.
O que eu irei aprender estudando pela DevMedia?
Nossas trilhas de estudo te permitem virar um programador Full Stack, que é aquele programador mais completo, ele domina o desenvolvimento Front-end, Back-end e Mobile. Você ficará apto para criar sistemas para computadores e aplicativos para celulares. Utilizamos como base a linguagem JavaScript que é a linguagem mais utilizada no mundo. Outra vantagem do JavaScript é a quantidade de oportunidades no mercado de trabalho. É sem dúvida a linguagem que mais possui vagas e a que mais dá oportunidade para os iniciantes.
Principais diferenciais da DevMedia
Suporte ao aluno - O aluno conta com a ajuda de professores para tirar dúvidas durante toda a jornada de ensino. As perguntas são respondidas em menos de uma hora por professores experientes e atuantes no mercado. Gamificação - A plataforma de ensino é divertida e motivante. É como se o aluno estivesse dentro de um game. Ele terá seu card pessoal, que poderá ser customizado utilizando as moedas que ele ganha quando acerta os exercícios. Ele poderá também trocar suas moedas por outros produtos dentro da plataforma. Além disso, seus acertos contam pontos no ranking mensal dos alunos. Tudo isso deixa os estudos mais leves e motivantes. Didática - A DevMedia já ensina programação há mais de 20 anos. Desenvolvemos ao longo desse tempo uma metodologia que ensina a programar de verdade, com menos aulas e mais prática, são dezenas de projetos e exercícios que desenvolvem a mente programadora no aluno. Projetos reais - Durante os estudos os alunos irão desenvolver dezenas de projetos em cada uma das carreira (front-end, back-end e mobile). Mas o principal é que os projetos da DevMedia não são “copia e cola” como se encontra por aí. Aqui o aluno vai desenvolver os projetos de forma autônoma, recebendo claro a nossa mentoria e suporte, mas o aluno terá condições para desenvolvê-los sozinho. Milhares de exercícios - Programação é prática, por isso a cada nova matéria o aluno passará por um bloco de exercícios para fixar o conteúdo e cada acerto será bonificado com pontos e moedas e valem uma posição no ranking dos alunos.
Qual o investimento financeiro que preciso fazer para me tornar um programador?
Na internet é possível encontrar cursos de todos os preços, desde 50,00 a R$15.000,00. Os cursos de 50,00 são cursos avulsos, que explicam apenas pedaços de uma determinada matéria. Para criar um conhecimento completo você precisaria comprar no mínimo de 15 a 20 cursos avulsos e correria o risco deles não se complementarem tão perfeitamente e seu conhecimento ficaria cheio de "buracos". Os cursos de R$15.000,00 não fazem nenhum sentido. Deixe para investir em cursos caros quando quiser se especializar. Por esse preço você pode inclusive estudar fora do pais. Na DevMedia, você terá um plano de estudo montado por quem já formou mais de 100 mil alunos, e já está nesse mercado há mais de 20 anos. Somos a única plataforma que oferece Suporte ao Aluno em tempo real e uma experiência de estudos gamificada para te manter motivado durante todo o período de estudo. E o melhor, nosso pagamento é recorrente, você não precisa usar o limite do seu cartão de crédito para investir no seu futuro. Aproveite para se matricular agora mesmo.
Como funciona a forma de pagamento da DevMedia?
Para que você possa investir nos seus estudos sem complicar sua vida financeira, a DevMedia cobra o valor da assinatura de forma recorrente, Igual o Netflix. Todos os meses debitamos o valor da parcela em seu cartão de crédito, sem comprometer o limite total do cartão. :) Nesse modelo, a gente te ajuda a pagar seus estudos, mas você precisa ajudar a gente a pagar nossos custos. Por isso a assinatura recorrente tem uma fidelidade de um ano. Essa fidelidade também vai te ajudar a se manter comprometido com os seus estudos. Temos um trato?

Utilizamos cookies para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários, consulte nossa política de privacidade.

Aceitar