Por que eu devo ler este artigo:Este artigo apresenta dicas, boas práticas e conceitos que devem ser aplicados durante todo o ciclo de desenvolvimento de software. A partir disso, é possível alcançar um código com boa legibilidade e de fácil compreensão, facilitando, principalmente, a manutenção.

Portanto, este artigo é útil tanto para programadores, que desejam melhorar o seu nível profissional, como para gerentes ou líderes de equipes de desenvolvimento, que esperam não apenas um software que atenda aos requisitos do cliente, mas também um bom software, bem feito, com código fonte de qualidade.

Qualidade de software é um tema muito discutido na atualidade, porém, normalmente leva-se em consideração apenas se o mesmo atende aos requisitos estabelecidos.

Neste cenário, pouco se fala sobre a qualidade do código fonte, apesar deste ser o primeiro passo para um software atingir um nível de excelência.

Com base nisso, neste artigo serão abordados pontos importantes como o bom uso de padronizações, a relevância da tradicional dupla alta coesão e baixo acoplamento, a preocupação com performance e robustez, a importância de logging e documentação de código fonte, o valor dos testes unitários bem escritos e a utilização de validadores de código.

Qualidade de software é um assunto de extrema importância, pois um software que não atenda a todos os requisitos ou cheio de bugs não serve para nada.

Entretanto, também deve-se levar em consideração a qualidade do código fonte do mesmo, ou seja, o quão bem desenvolvido foi este software.

Digamos que a qualidade do código fonte é a qualidade interna do software, aquela que não é vista pelo cliente, mas que, do mesmo modo, não deve ser desprezada.

Podemos fazer um comparativo do desenvolvimento de software com a fabricação de relógios. Um relógio pode ser muito bonito e perfeitamente funcional (mostra as horas, tem despertador, calendário, etc.), porém o que não vemos, e é de fundamental importância para a qualidade deste, são os componentes internos, como tambor, rodas e escapamento.

Isso que faz a diferença entre um excelente relógio, que dura uma vida inteira, e uma imitação qualquer, cujo conserto, se quebrado, seria mais alto que o valor pago na compra ou talvez nem seja possível de ser feito.

O que queremos mostrar com essa comparação é que, além de funcionar conforme a especificação, é fundamental que o software seja bom e bem feito, que dure, que a manutenção não seja tão custosa e que a evolução seja natural.

Só atingiremos estes objetivos se tivermos código fonte de qualidade, e para isso temos que ter equipes de qualidade.

Em busca desses objetivos, foi criado em 2009 o Manifesto pelo Artesanato de Software (Manifesto for Software Craftsmanship), apresentado a seguir:

Como aspirantes a Artesãos de Software elevamos o nível do desenvolvimento de software profissional ao praticar e auxiliar outros a aprender o ofício. Através deste trabalho passamos a valorizar:

· Não somente software funcionando, mas também software bem feito.

· Não somente responder a mudanças, mas também continuamente adicionar valor.

· Não somente indivíduos e interações, mas também uma comunidade de profissionais.

· Não somente colaboração com o cliente, mas também parcerias produtivas.

Ou seja, na busca pelos itens à esquerda descobrimos que os itens à direita são indispensáveis.

A ideia do manifesto é termos programadores melhores, mais interessados na qualidade do que estão fazendo, buscando sempre o aprimoramento, colaborando uns com os outros e com os clientes.

Quando f ...

Quer ler esse conteúdo completo? Seja um assinante e descubra as vantagens.
  • 473 Cursos
  • 10K Artigos
  • 100 DevCasts
  • 30 Projetos
  • 80 Guias
Tenha acesso completo