Por que eu devo ler este artigo:Este artigo apresenta técnicas e boas práticas para a construção de queries no banco de dados PostgreSQL, além de apresentar como essas consultas podem ser cada vez mais rápidas sem onerar a integridade e disponibilidade do seu banco de dados. Este artigo será útil para situações nas quais se deseja obter uma performance ótima na execução de consultas. Existem alguns métodos no PostgreSQL que, se utilizados de maneira correta, facilitam o melhor desempenho das queries. Por exemplo, o EXPLAIN auxilia no entendimento dos relacionamentos e indexações das estruturas do banco de dados. Além disso, para melhorar o desempenho, algumas boas práticas bem empregadas podem ajudar no objetivo de construir uma query eficiente.

Hoje em dia, qualquer sistema que seja utilizado em diferentes áreas do mercado possui um gerenciador embarcado que administra um repositório de informações em uma camada não aparente para o usuário final. Esses sistemas são chamados de bancos de dados e possuem caráter extremamente relevante e valioso para quem os utiliza. Com o avanço empregado nessa forma de armazenamento de informações, as mesmas se tornaram cada vez mais expansíveis e robustas para se adaptarem à grande demanda de consumo nas estruturas existentes.

O principal destaque deve ser dado à manipulação que será realizada nesses sistemas. Elencar e identificar quais são as reais necessidades é um fator primordial para a qualidade do produto desse processo. Ou seja, a instrução SQL construída deve ter utilidade e atender às necessidades do seu cliente.

O desejo de qualquer um dos usuários, seja ele desenvolvedor ou administrador, que utilizam um banco de dados, sendo ele PostgreSQL ou qualquer outro tipo de SGDB (SQL ou até do tipo NoSQL), é que o tempo de resposta de suas consultas SQL seja o mais rápido possível, quase sempre com retornos imediatos independente de estarmos lidando com pequenas porções de dados, que possuem um número mínimo de tabelas, ou com bases de dados gigantescas, altamente estruturadas, repletas de vínculos internos e externos e com muitas interações simultâneas executadas diariamente.

É importante destacar que todos os métodos e técnicas de otimizações demonstradas neste artigo são sugestões para um aumento no desempenho de queries dentro de uma estrutura de banco de dados PostgreSQL. Todas elas, quando bem aplicadas no contexto onde se encaixam e com a necessidade empregada no processo no qual pertencem, surtirão um resultado satisfatório quando o assunto for o quão veloz é sua consulta SQL.

Fatores primordiais

Quando se fala em otimização de queries, sempre se deve levar em consideração o ambiente no qual se está trabalhando. No melhor dos cenários, quando evidenciamos o aprimoramento de instruções SQL, alguns fatores são primordiais para que os métodos empregados para aumentar a velocidade de resposta das consultas ajam de maneira correta dentro do servidor e que surtam os resultados esperados. Dentre eles, podem-se evidenciar dois tópicos que estão presentes em todos os cenários onde uma instrução SQL não traz os resultados dentro do tempo que se espera.

O primeiro deles está na projeção e na forma na qual foi idealizado o banco de dados onde se está trabalhando. É possível afirmar que esse sempre será o principal gargalo quando o desempenho das consultas executadas nessa base de dados não for eficiente. A form ...

Quer ler esse conteúdo completo? Seja um assinante e descubra as vantagens.
  • 473 Cursos
  • 10K Artigos
  • 100 DevCasts
  • 30 Projetos
  • 80 Guias
Tenha acesso completo