Atenção: esse artigo tem um vídeo complementar. Clique e assista!

De que se trata o artigo

Este artigo tem por objetivo apresentar as funcionalidades básicas nativas do Microsoft SQL Server 2008 na interpretação de documentos no padrão XML, e através de uma abordagem simples e objetiva demonstrar o uso das principais funcionalidades no tratamento deste padrão.

Em que situação o tema útil

Com o contínuo aumento dos sistemas de informação, cada dia torna-se mais necessário garantir sua integração com outros sistemas. O padrão XML veio para o mercado como uma camada de transporte de dados segura, simples e que está, cada dia mais, sendo adotadas pela comunidade. Portando, cabe ao profissional de banco de dados ter um conhecimento mínimo do assunto, já que influencia diretamente em sua área.

Resumo DevMan

Desde o seu lançamento em meados do ano 2000, o XML vem ganhando novos adeptos graças a sua imensa flexibilidade e interoperabilidade. Com o tempo os maiores players do mercado de SGBD como Oracle, IBM e Microsoft foram adequando seus produtos para que houvesse uma manipulação mais ampla de tal recurso. Hoje o XML já é um padrão amplamente aceito e utilizado pela comunidade desenvolvedora de softwares.

Neste contexto, neste artigo seremos apresentados a algumas funcionalidades nativas do SQL Server para o tratamento e geração de arquivos neste padrão trabalhando com o formato tabular e hierárquico.

Autores: Dhiego Piroto e Rodrigo Oliveira Spínola

Possivelmente em algum momento de sua vida profissional você já ouviu falar sobre a necessidade de se integrar aplicações. Pois bem, no cenário tecnológico atual esta integração entre softwares tem sido cada vez mais presente e necessária. Isto do ponto de vista estratégico pode significar manter um antigo cliente para que ele não adote outra solução senão a sua, estabelecer novos contatos ou fazer parcerias com empresas as quais outrora você via como meros concorrentes.

O padrão XML vem como um meio de garantir a interoperabilidade entre sistemas, através de uma linguagem simples, fácil e confiável. Com ele os desenvolvedores podem focar na codificação de regras de negócio ou outras tarefas que demandem um nível de conhecimento específico, ao invés de criarem lógicas complexas para validação dos arquivos na camada de transporte dos dados.

No decorrer do artigo veremos que o padrão XML possui uma grande extensibilidade e flexibilidade, que nos permite representar as mesmas informações de muitas maneiras possíveis; por isto também dizemos que o XML é uma linguagem auto descritiva, tal elasticidade chega ao ponto de ser um problema para a validação dos arquivos. Pensando nisso, foram criados padrões de validação de arquivos XML, que nada mais são do que uma forma de garantir que um documento XML siga determinadas regras (pré-acordadas entre as partes envolvidas) para ser considerado válido. Dentre os principais padrões de validação adotados pelo mercado podemos destacar o XDS, que possui uma incrível flexibilidade e opções avançadas que vão desde o suporte a ‘namespaces’ até a criação de tipos de dados compostos. Uma completa explicação destes padrões vai além do escopo do artigo. A quem interessar, disponibilizo alguns links para consulta no final do artigo, na área reservada às referências.

O surgimento da ideia de uma camada de transporte de dados teve início em meados dos anos 70. Na ocasião a IBM desenvolveu um padrão para armazenamento de informações diversas, chamado GML (ler nota DevMan 1) que alguns anos mais tarde, em 1986, passaria a atender pelo nome de SGML. A letra “S” veio da palavra STANDARD, padronização esta ao qual o GML foi submetido ao passar pelas mãos da ISO (Internation Standard for Organization) - uma organização internacional que tem como objetivo desenvolver novas tecnologias garantindo a padronização e evolução constante da WEB.

Nota DevMan 1. GML

GML é o acrônimo para General Markup Language, solução da IBM para armazenamento de informações.

Com o tempo houve o surgimento de outra linguagem para atender a este tipo de armazenamento de dados, o padrão XML. Apresentado em 1996, ele herdou características do HTML (Hypertext Markup Language), com uma estrutura hierárquica e utilizando em seu corpo o uso de tags (markups). Ao contrário do que muitos pensavam, o XML não veio para substituir o HTML e sim completá-lo. O padrão XML é mantido até hoje pela W3C (World Wide Web Consortium), o mesmo que também gerencia o padrão HTML.

Quando projetado, alguns dos objetivos a serem alcançados pelo XML foram:

• Facilitar sua utilização na Internet;

• Possuir aplicabilidade abrangente;

• Permitir que programas para processamento de documentos XML fossem facilmente desenvolvidos;

• Permitir que documentos gerados a partir da linguagem XML pudessem ser interpretados tanto por homens quanto por máquinas, e;

• Permitir que documentos XML fossem facilmente criados.

Esses objetivos foram ou vêm sendo rapidamente alcançados. Uma prova disso é o fato do XML estar rapidamente emergindo como o padrão para: (1) intercâmbio de dados na Internet e (2) representação de dados semi-estruturados.

A linguagem XML expressa a informação utilizando basicamente quatro componentes: marcações, atributos, dados e hierarquia. Cada um desses componentes representa uma dimensão diferente da informação e faz parte da sintaxe da XML. A Listagem 1 apresenta um exemplo de documento XML e seus componentes.

...
Quer ler esse conteúdo completo? Seja um assinante e descubra as vantagens.
  • 473 Cursos
  • 10K Artigos
  • 100 DevCasts
  • 30 Projetos
  • 80 Guias
Tenha acesso completo